o que é live cinema?

15 de fevereiro de 2014 Thomas Wilfred e um de seus lumias: além de criar o Clavilux, o sintetatizador de luz pioneiro usado para fazer seus lightshows, o artista dinamarquês também desenvolveu equipamentos luminosos portáteis cuja finalidade era o uso doméstico. O conceito de Live Cinema, ou Cinema ao Vivo, não pode ser entendido de forma literal. O nome […]

audiovisual e arte urbana no lira paulistana

Lira Paulistana e a vanguarda paulista, documentário dirigido por Riba de Castro, é imprescindível para entender a cultura de São Paulo. O filme mostra o surgimento da cena independente, em meio à uma diversidade inédita de linguagens e estilos: uma marca da produção da cidade, desde então. Apesar de girar principalmente em torno da música […]

Uma perspectiva do tempo

<iframe width=”100%” src=”https://www.youtube.com/embed/LYSIv9KD_cg” frameborder=”0″ allow=”autoplay; encrypted-media” allowfullscreen></iframe> publicado originalmente no blog da Mostra Live Cinema http://www.livecinema.com.br/blog/715 A crítica especializada em imagens ao vivo é, geralmente, baseada na tradição de pensamento voltada ao audiovisual contemporâneo. Um universo bastante pertinente para pensar trabalhos em tempo real é o dos pensadores que dedicaram-se ao tema do tempo (ou questões […]

There’s only one way out: Exit!

publicado originalmente no blog da Mostra Live Cinema Em Exit City: Home Everywhere and Nowhere, Wim Nijenhuis afirma, no contexto de um discussão sobre o papel crítico que Wim T. Schippers e grupos como os situacionistas desempenham diante de uma sociedade funcionalista e automotiva que se consolida aos poucos durante o século XX: “Meios de comunicação […]

from soft cities to hard cities

Em Condição Pós-Moderna, David Harvey afirma que “a tensão que sempre existiu no capitalismo entre monopólios e competição, entre centralização e descentralização de poder econômico, está se manifestando de modos fundamentalmente novos. Isso, porém, não implica necessariamente que o capitalismo está se tornando cada vez mais “desorganizado”, como sugerem Offe (1985) e Lash e Urry […]